facebook 
Home Futebol Colunistas Planeta música Vagas de Empregos Documentos perdidos Fotos Promoções Contato
            Pontal Abrangência Programas
Colunistas
TRANSFORMANDO DEFEITOS EM VIRTUDES; ESQUECER JAMAIS!

 

Por Marcos: Gabiroba
 
 
Já estamos caminhando a passos largos para o fim do mês de setembro. Meu Deus, como este ano está correndo. Estamos há exatos 99 dias para 2017 terminar. E a vida, Oh!, desse tamanhinho, lembrando do inesquecível personagem, Professor Raimundo do humorista Chico Anízio.
 
Setembro passa rapidamente e a lembrança nos leva às recordações de nossas personalidades, também inesquecíveis que nos deixaram neste mês: Benedito Moreira de Souza, Dom Mário Teixeira Gurgel, Daniel Jardim de Grisolia e Virgílio Gazire. Gente como se tem memória curta nesta Terra de Tutu Caramujo! Não presenciei, nos últimos dias, nenhuma homenagem em memória a nenhum desses cidadãos: Benedito Moreira de Souza, ex-vereador e Presidente da Câmara Municipal; Dom Mário Teixeira Gurgel, nosso segundo bispo diocesano que administrou a Diocese de Itabira/Cel. Fabriciano por mais de trinta e cinco anos; Daniel Jardim de Grisolia, inesquecível prefeito que tirou a Itabira do Mato Dentro para ser tão somente Itabira e muitas outras obras que perduram até hoje; Virgílio José Gazire, um homem simples, bom e um grande administrador. Visão pura e simples de como governar com competência, e olhem, a receita municipal nesses períodos era uma titica de nada, como se diz na gíria. Virgílio foi um verdadeiro “pai dos pobres e dos necessitados” da cidade, naquela época. Falei no Virgílio, lembro agora que hoje se completam trinta e quatro anos que ele nos deixou, partindo para a eternidade, sem esquecer-se de outros vultos políticos da terra, tais como: Luiz Menezes, Padre Joaquim Santana, Jairo Magalhães, Li Guerra e na última semana o ex-vereador Nereu Magalhães. A vida é assim né? “Rei posto, rei morto”. E para não dizer que não falei das flores, escrevo a lenda abaixo para sua e nossa reflexão: Conta-se que em tempos idos, numa remota aldeia da China antiga, um carregador de água levava consigo, todos os dias, dois potes grandes, ambos dependurados em cada ponta de uma vara, a qual ele carregava atravessada em seu pescoço. Um dos potes tinha uma rachadura, enquanto o outro era perfeito e sempre chegava cheio de água no fim de sua longa jornada entre o poço e a casa do senhor. O pote rachado chegava apenas com metade da água colhida. Assim foi por dois anos consecutivos. Diariamente, o carregador entregando um pote e meio de água na casa do seu senhor. Claro, o pote perfeito estava orgulhoso de suas realizações. Porém, o pote rachado estava envergonhado da sua imperfeição e, sentindo-se miserável por não ser capaz de realizar sua tarefa completa, apenas a metade do que havia sido designado a fazer.
 
Após constatar que, por dois anos, havia sido de uma grande inutilidade, o pote falou para o homem, um dia, à beira do poço: “Estou envergonhado, quero pedir-lhe desculpas”.  “Por quê? Perguntou o homem. – Do que você está envergonhado? – “Nesses dois anos eu fui capaz de entregar apenas a metade de minha carga, porque essa rachadura do meu lado fez com que a água vazasse por todo o caminho da casa do seu senhor, por causa do meu defeito, você tem que fazer todo este trabalho, e não ganha o salário completo dos seus esforços”, disse o pote. O homem ficou triste pela situação do velho pote e, com compaixão, falou: “Quando retornávamos para a casa do meu senhor, quero agora, que você perceba, velho companheiro, as flores ao longo do caminho”.
 
De fato, à medida que eles subiam a montanha, o velho pote rachado notou flores selvagens ao lado do caminho, e isto lhe deu ânimo. Mas, ao fim da estrada, o pote ainda se sentia mal porque tinha vazado a metade, e de novo, pediu desculpas ao homem por sua falha. Disse o homem ao pote: - “Você notou que, só havia flores do seu lado da trilha? Notou ainda que, a cada dia, enquanto voltávamos do poço, você regava-as? Por dois anos eu pude colher flores para ornamentar a mesa do meu senhor. Sem você ser do jeito que você é, ele não poderia ter essa beleza para dar graça à sua casa”. Cada um de nós tem nossos próprios defeitos e únicos defeitos. Todos nós somos potes rachados. Porém, se permitirmos, nossos defeitos poderão servir para um bom propósito. Na grandiosa economia de Deus nada se perde e não devemos ter vergonha dos nossos defeitos. Basta reconhecê-los, corrigi-los e transformá-los em instrumento positivo, pois a sabedoria começa a ser forjada a partir dos nossos defeitos e tropeços ao longo da vida. Pense nisso!
 
Pois é amigos o recado está dado. Aos sucessores desses grandes vultos da política itabirana, hoje esquecidos, que deixaram suas marcas indeléveis na administração do município, que deixaram também, fatos concretos que couberam a José Mauricio, Jackson Alberto de Pinho Tavares, Ronaldo Magalhães, João Izael Quirino Coelho colherem os frutos e as flores da grandiosa economia de Deus e, jamais tiveram vergonha de darem seguimento às obras e empreendimentos à Terra de Tutu Caramujo. Depois de um tempo nebuloso, negro mesmo, cabe agora a Ronaldo Magalhães restaurar a dignidade das flores no caminho da administração pública, não se esquecendo de que, daqui a doze anos, talvez, talvez, Itabira não seja “apenas uma fotografia na parede, não é mesmo? Ai meu Deus, “como dói” só de pensar nisso! Tenho dito.
 
 
A crônica da semana vai ao ar pela Pontal FM 104.3 - A rádio que é a sua cara, todo sábado ás 13h. Com reprise aos domingos á 18h e 05 min.Ouça http://www.radiopontal.com.br/radiopontal.html 





TOP MAIS
1 - Família de Ipatinga é cercada por criminosos e tem carro roubado na MG-120
2 - MARÍLIA MENDONÇA DE QUEM É A CULPA
3 - DILSINHO CANSEI DE FARRA
4 - HENRIQUE E JULIANO AQUELA PESSOA
5 - ZEZÉ DI CAMARGO E LUCIANO DESTINO

 

Telefone de contato: (31) 3831-3522 / 3831-2878 / E-mail: pontal@radiopontal.com.br
Estamos localizado na Rua Francisco Osório de Menezes, 900 - Campestre - Itabira/MG
Rádio Pontal FM 104,3 - 2017. Todos os direitos reservados. - Site Ouro