facebook 
Home Futebol Colunistas Planeta música Vagas de Empregos Documentos perdidos Fotos Promoções Contato
            Pontal Abrangência Programas
Planeta música
Um ano sem Cristiano Araújo: artistas falam sobre mudanças no mercado

 

Há um ano, o mercado sertanejo lamentou a perda de Cristiano Araújo, que morreu após um grave acidente de carro. Hoje, muitos artistas ainda sofrem com a ausência do cantor. Mas também enxergam algumas mudanças importantes.

Seja na aproximação entre eles ou no respeito que a música ganhou, como citou a cantora Maraisa, que faz dupla com Maiara.

“Acho que muitas pessoas passaram a olhar, sim, para o sertanejo com mais respeito. Ele era um artista novo e muito conhecido e respeitado. Quanto a união, acho que agora ela está mais evidente, mas os sertanejos sempre foram muito unidos”, afirmou a cantora, que gravou a faixa “Se olha no espelho” junto com o cantor pouco antes de sua morte.

Thaeme, da dupla com Thiago, concorda com Maraisa. “Passamos a ter um cuidado e um olhar mais piedoso um para o outro, mas acho que a amizade continua com todo mundo. Não foi algo que mexeu e, do nada, todo mundo ficou amigo. Já éramos. Inclusive, Cristiano era um grande amigo nosso”, afirmou a cantora.

Thaeme abre sua casa em São Paulo (Foto: Celso Tavares / EGO)


Já seu parceiro, Rick, citou a mudança no pensamento dos artistas, que querem voltar para casa rapidamente logo após um show. "Não tem jeito. Se você toca a 200km, 300km de sua casa, você quer ir para casa, quer dormir na sua cama, quer ficar junto com a sua família. É muito normal, mas hoje a gente pensa mais. Ficamos todos triste emocionalmente abalados com a morte do Cristiano, mas acredito que a música sertaneja mostrou novamente a sua força e a sua união", acredita.Nogueira, da dupla Rick e Nogueira, acredita que o acidente mostrou a força do sertanejo. “Na verdade, com esse trágico acontecimento as pessoas viram como a música sertaneja é forte e unida, sim. Muitos que não o conheciam ficaram de boca aberta com a repercussão e como ele era querido”, pontuou o cantor.

Segurança na estrada
Belutti, que viu sua equipe sofrer, em 2014, outro grave acidente nas estradas - quando o baixista da banda morreu -, relembrou que os dois incidentes chamaram a atenção para a segurança dos artistas.

Marcos e Belutti em show em São Paulo (Foto: Thiago Duran/ Ag. News)


Marcos, parceiro de Belutti nos palcos, ainda completou: “Outra coisa que mudamos foi o horário dos nossos retornos pós show. Antes, saíamos do palco e já pegávamos estrada. Hoje, quando conseguimos, descansamos um pouco e vamos embora na manhã seguinte”.“Desde o nosso acidente, onde perdemos não só um integrante da banda, mas um grande amigo, o Rafa nosso baixista, ficamos mais ligados na estrada. Após a morte do Cris acreditamos que, não só nós artistas, mas as pessoas no geral, começaram a se preocupar mais com a questão da segurança nas viagens. Nós e nossa equipe estamos sempre atentos para colocar o cinto de segurança durante nossos deslocamentos, seja no nosso ônibus, no nosso próprio carro ou no avião”, afirmou o sertanejo.

Felipe Duran também deu seu depoimento sobre a mudança de postura que envolve segurança. “A morte do Cristiano serviu para mostrar a força que o sertanejo tem, e também para mostrar coisas muito importantes como o cinto de segurança no banco de trás e a segurança. Infelizmente a música sertaneja perdeu um grande talento e, nós, um grande amigo.”

Missa de 7º dia de Cristiano Araújo  (Foto: Evandro José / EGO)
Marrone (Foto: Evandro José 

Saudade
Marrone engrossa o time que fala sobre o aumento do cuidado tomado pelos artistas e equipe desde então. “Acho que a gente passou a ter mais cuidado, mais atenção”, afirma ele, que era um amigo próximo do cantor. Por isso, ele sente ainda uma mudança pessoal. “Para mim, o que mudou mesmo foi o vazio que ele deixou. Eu lembro dele muitas vezes. A gente era amigo, ele me mostrava os seus trabalhos, mandava as novidades e eu fazia o mesmo”, explicou.

'Olhamos para nossas vidas com mais cuidado'
Henrique, da dupla com Diego, também falou sobre uma mudança na forma de enxergar a vida. “Até hoje, quando paramos para pensar no que aconteceu, não parece que foi verdade. Aí bate um aperto e olhamos para as nossas vidas com mais cuidado”, afirmou.

O cantor ainda citou a saudade do sertanejo e a forma pela qual tenta manter Cristiano sempre vivo. “Existem muitas maneiras: ouvindo suas músicas, cantando, assistindo os vídeos, lembrando do seu bom humor e energia. Depois de um ano, a saudade ainda é forte, ele sempre será lembrado”.






TOP MAIS
1 - Família de Ipatinga é cercada por criminosos e tem carro roubado na MG-120
2 - MARÍLIA MENDONÇA DE QUEM É A CULPA
3 - DILSINHO CANSEI DE FARRA
4 - HENRIQUE E JULIANO AQUELA PESSOA
5 - ZEZÉ DI CAMARGO E LUCIANO DESTINO

 

Telefone de contato: (31) 3831-3522 / 3831-2878 / E-mail: pontal@radiopontal.com.br
Estamos localizado na Rua Francisco Osório de Menezes, 900 - Campestre - Itabira/MG
Rádio Pontal FM 104,3 - 2017. Todos os direitos reservados. - Site Ouro