facebook 
Home Futebol Colunistas Planeta música Vagas de Empregos Documentos perdidos Fotos Promoções Contato
            Pontal Abrangência Programas
Notícias
Partidos insistem em velhos caciques na corrida às urnas em 2018

 

Portal Uai 

 A partir deste mês, o país está a um ano das eleições majoritárias. E, desde a primeira disputa após a redemocratização, em 1989, não havia um cenário tão incerto do que sairá como resultado das urnas. A indefinição encontra-se em todos os níveis de poder — das cadeiras de deputados estaduais à Presidência da República. E, mesmo diante de pesquisas e indicativos de que a população quer uma completa renovação, os partidos apontam para velhos e tradicionais nomes da política brasileira como solução.

O discurso sobre o novo se adaptou ao longo dos últimos meses e foi incorporado por aqueles que dominam o cenário há décadas. A promessa agora é “nova política”. O exemplo mais recente é a eleição suplementar ao governo do Amazonas, ocorrida em agosto deste ano. A população escolheu Amazonino Mendes (PDT-AM), que desde 1983 se reveza em períodos na Prefeitura de Manaus e no governo do estado. Em segundo lugar ficou o senador Eduardo Braga (PMDB-AM), outro medalhão da política amazonense.

“Que renovação é essa que leva ao segundo turno Amazonino e Eduardo Braga? Isso não existe. O sistema favorece quem está ali. E vai aumentar com as mudanças da reforma política. Com o fundo eleitoral e a redução no tempo de campanha, aqueles que têm o controle sobre os partidos vão direcionar os recursos para se manter no poder. Quem está chegando terá pouquíssima chance. A eleição reproduzirá o mais do mesmo. Não houve mudança no sistema eleitoral nem cultural suficientes para mostrar a importância de se eleger um Parlamento não viciado”, afirma o diretor de documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Antônio Augusto de Queiroz.

 

Continua depois da publicidade

 



O analista político acredita que a renovação na Câmara dos Deputados, por exemplo, ficará dentro da média histórica, que gira em torno de 40% a 50%. Em 2014, o número chegou a 43,7% — 198 novos deputados e 26 que voltaram, mas não participaram da legislatura anterior. A maior taxa já registrada de chegada de novos políticos à Casa ocorreu em 1990, com 62%. “A renovação não será real. Vai acontecer uma circulação: senador que vai concorrer à Câmara, deputado que vai para a Assembleia, secretário que vai virar deputado, filho que vai assumir a vaga do pai. Tudo continuará nas mãos dos mesmos grupos”, aposta Antônio Queiroz.

Exemplo do passado 

Já o especialista em marketing eleitoral Marcelo Vitorino acredita em uma renovação em torno de 55% na Câmara. Para ele, diante da crise política e ética que o país enfrenta e com a previsão de uma campanha mais barata, abre-se uma janela de oportunidade para quem quer entrar na política. Vitorino afirma que, para entender o panorama de 2018, basta olhar para o passado: 1989. “Será uma eleição muito parecida. Muitos candidatos e incertezas. Agora, todo mundo estará no mesmo barco do pouco dinheiro. Claro que há colégios eleitorais em que os caciques são muito fortes e isso não cairá, mas o momento é, sim, propício para a novidade”, garante.

Aos 72 anos, o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) vê no momento a oportunidade para chegar ao Palácio do Planalto. Pré-candidato, o paranaense já esteve na posição de deputado estadual, federal, governador do estado e cumpre o quarto mandato no Senado. Para ele, o maior desafio das eleições será vencer a descrença da população e o descrédito em relação aos partidos. “O que se espera não é o novo em idade ou o novo na política. Até porque, o novo em idade tem sido uma decepção. O que a população deseja é o método novo, uma gestão moderna, uma mudança de conceito e da cultura política. E, certamente, uma experiência precedente na atividade pública passa a ser uma vantagem para quem tem um itinerário diferente da maioria”, acredita.

Riscos 

Especialistas ressaltam, porém, os perigos do desejo pela renovação, da falta de opções apresentadas pelas legendas e da descrença com a política. A tendência é a eleição de “salvadores da pátria” e de um grande número de abstenções, votos brancos e nulos. O cenário foi antecipado nas eleições municipais de 2016, quando esse número chegou a 32,5%. “O receio é que cresça essa campanha do ‘Não reeleja ninguém’ e pessoas boas fiquem de fora. Na ânsia de fazer uma coisa melhor, às vezes se coloca coisa muito pior. Esse movimento dará espaço para gente que se compromete somente com o próprio ego. É preciso renovar com consciência, e não banalizar o voto. A história nos mostra que isso dá errado”, frisa Vitorino.

Pesquisa

Mesmo condenado em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera a corrida presidencial. Se a eleição fosse hoje, o petista teria pelo menos 35% das intenções de voto nos cenários testados pela pequisa Datafolha divulgada ontem. Em segundo lugar aparecem, tecnicamente empatados, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), que tem entre 16% e 17%, e a ex-senadora Marina Silva, que oscila entre 13% e 14%, nos cenários com o petista. Com Lula no páreo, os tucanos Geraldo Alckmin e João Doria têm 8% das intenções de voto, segundo o levantamento feito nos dias 27 e 28 em 194 cidades, com 2.772 entrevistados.

Desiludidos


32,5%
Percentual de abstenções, votos brancos e nulos das eleições municipais de 2016


PMDB é coadjuvante

Faltando um ano para o primeiro turno da eleição presidencial de 2018, o PMDB governa o país com as maiores bancadas do Congresso Nacional, mas assiste como coadjuvante às movimentações de aliados e adversários para a próxima campanha. É a primeira vez desde a redemocratização que a legenda que comanda o Executivo federal não tem nomes com potencial para disputar um novo mandato no Palácio do Planalto a essa altura do calendário.

Com o presidente Michel Temer – que tem 3% de aprovação popular, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada na semana passada – acusado na Lava-Jato e com alguns de seus principais auxiliares e correligionários investigados ou presos, o partido deverá abrir mão de encabeçar uma chapa. A prioridade é tentar se “reinventar” para manter o que as lideranças ainda consideram ser um patrimônio: a capilaridade política nos estados.

Se antes das denúncias da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Temer o partido acreditava que a melhora da economia poderia cacifar uma eventual reeleição do presidente, agora ninguém mais cogita esse cenário. “O PMDB não deve ter candidato à Presidência da República em 2018. Temos de refletir sobre o fracasso das candidaturas de (Orestes) Quércia e Ulysses Guimarães. O partido deve apoiar um candidato da base que se comprometa com a agenda reformista”, disse o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), aliado próximo de Temer.

Quando indagado sobre os cenários com os quais o PMDB trabalha para 2018, o presidente do partido, senador Romero Jucá (RR), apresenta um leque amplo. “No nosso campo, existem vários nomes com condição (de disputar o Palácio do Planalto): Henrique Meirelles, João Doria, Geraldo Alckmin”, disse ele em recente entrevista. O primeiro é filiado ao PSD e os dois últimos são do PSDB.






TOP MAIS
1 - Família de Ipatinga é cercada por criminosos e tem carro roubado na MG-120
2 - MARÍLIA MENDONÇA DE QUEM É A CULPA
3 - DILSINHO CANSEI DE FARRA
4 - HENRIQUE E JULIANO AQUELA PESSOA
5 - ZEZÉ DI CAMARGO E LUCIANO DESTINO

 

Telefone de contato: (31) 3831-3522 / 3831-2878 / E-mail: pontal@radiopontal.com.br
Estamos localizado na Rua Francisco Osório de Menezes, 900 - Campestre - Itabira/MG
Rádio Pontal FM 104,3 - 2017. Todos os direitos reservados. - Site Ouro